sábado, 5 de janeiro de 2008

FIHANKRA* todos os dias são iguais e nenhum parece assim não te mandarei como outrora um fruto para os teus lábios anunciando o breve rumor dos meus passos afundando-se na neve todos os dias são iguais como a pureza como a morte tudo trazem tudo levam: são partos de luz sem destino nenhum *Título do autor, António Godinho, na obra conjunta CINCO Novos Poetas da Guarda, Edição do Aquilo - Teatro, Dezembro de 1998. Originalmente publicado na revista "Aquilo" n.º 8 de Julho de 1984. Blog de António Godinho.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixe o seu comentário. Tentarei responder a todos. Obrigado