segunda-feira, 29 de outubro de 2007

pois cada átomo que a mim pertence a ti pertence também

Celebro-me e canto-me, E aquilo que assumo tu deves assumir, Pois cada átomo que a mim pertence a ti pertence também. Vagueio e convido a minha alma, À vontade vagueio e inclino-me a observar a erva do Verão. A minha língua, cada átomo do meu sangue, composto deste solo, deste ar, Aqui nascido de pais aqui nascidos de outros pais aqui nascidos, e dos pais também, Eu, aos trinta e sete anos, de perfeita saúde começo, Esperando que só a morte me faça parar. Suspensos os credos e as escolas, Retiro-me por certo tempo, deles saturado mas não esquecido, Sou o porto do bem e do mal, e seja como for falo, Natureza sem obstáculos com a sua energia original. Walt Whitman, in. Canto de Mim Mesmo (Song of Myself - 1881; parte integrante de Folhas de Erva - Leaves of Grass, cuja décima edição - a primeira póstuma - é publicada em 1897, cinco anos após a morte de Walt. Nem a morte o fez parar, porque os átomos que a ele pertencem, a nós pertencem também). Whitman na wikipédia; Whitman archives; A propósito de átomos, recordo a terceira estrofe de Ode Triunfal (1914), de Álvaro de Campos [que havia de declarar, no poema inacabado Saudação a Walt Whitman (1915-1918): Não sou teu discípulo, não sou teu amigo, não sou teu cantor,/ Tu sabes que eu sou Tu e estás contente com isso!]: Em febre e olhando os motores como a uma Natureza tropical - Grandes trópicos humanos de ferro e fogo e força - Canto, e canto o presente, e também o passado e o futuro, Porque o presente é todo o passado e todo o futuro E há Platão e Virgílio dentro das máquinas e das luzes eléctricas Só porque houve outrora e foram humanos Virgílio e Platão, E pedaços do Alexandre Magno do século talvez cinquenta, Átomos que hão-de ir ter febre para o cérebro do Ésquilo do século cem, Andam por estas correias de transmissão e por estes êmbolos e por estes volantes, Rugindo, rangendo, ciciando, estrugindo, ferreando, Fazendo-me um acesso de carícias ao corpo numa só carícia à alma.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixe o seu comentário. Tentarei responder a todos. Obrigado