quarta-feira, 19 de setembro de 2007

liberdade

Anos depois, quando saía da faculdade e ia para casa, parecia-me que sentia o cheiro e o som da liberdade – aquele cheiro a relva molhada e o chilrear dos pássaros. Sim! Os fins de tarde é que são a vida! O pôr-do-sol, sentado junto ao rio, só, observando as aves que procuram o seu galho para passar a noite, ou a chuva que cai sobre a minha cabeça e escorre por entre os poucos cabelos que ainda me restam, isto é liberdade! Isto é vida! Ouvir o motor veloz dos carros passando sob o asfalto gasto ou o zumbido das conversas de café. O som cacofónico de uma discussão familiar. A mãe que puxa o garoto pela orelha com força e carinho. O pai que olha sério para a criança que não sabe se há-de rir se há-de chorar. Os autocarros que pegam e largam passageiros. Os semáforos que não cessam de mudar de cor. As montras das lojas que anunciam os novos descontos. A montra da livraria mostrando as novidades da rentrée. «Gostaria que estivesses aqui um dia comigo, para me veres cirandar pela cidade, qual barata tonta que deu de repente com a luz e que ofuscada anda de um lado para o outro aos encontrões!» Isto é vida! Sim! Sou infeliz, mas dentro dessa infelicidade, sinto-me livre! E isso é uma sensação indescritível. Podem achar-me louco, como muitos me acham, mas às vezes levanto-me a meio da noite e vou beber um copo e fumar um cigarro a um bar daqueles que fecham mais tarde. Sento-me só a um canto. Bebo. Fumo. E volto para a minha cama fria. Ou fico a noite inteira a ler o último livro que comprei. *Fotografia de Isabel Gomes da Silva, intitulada Até Amanhã.

12 comentários:

  1. Caríssimo, é forte o teu texto. A liberdade é realmente uma conquista diária fantástica. A infelicidade, efectivamente, não. Remember: não há bem que sempre dure, nem mal que nunca acabe, certo?! Abraços

    ResponderEliminar
  2. OH...

    É um excerto descontextualizado de um romance de um tipo qualquer que usa o meu pseudónimo...

    Abraços,

    André Benjamim

    ResponderEliminar
  3. Diz ao tipo que, se assim é, bem honra o teu nome :)))

    ResponderEliminar
  4. AH...

    Se o encontro nem sei o que lhe faço a esse usurpador de identidades...

    ResponderEliminar
  5. Brincadeiras à parte, agradam-me os dois termos da equação: liberdade e infelicidade. Talvez a infelicidade seja outra, havendo liberdade... Acho que concordo!
    Abraço! :-)

    ResponderEliminar
  6. Olá RIC,

    Digamos que é alguém (uma das personagem - e um dos narradores - do romance) a falar de uma infelicidade (tristeza) passada, que reside dentro de si; mas é uma infelicidade que é amenizada por ser livre (por fim)...

    Daquelas tristezas que temos, não por as termos, mas por as termos tido...

    Abraço

    ResponderEliminar
  7. Ups. Ainda bem que me enganei! Há gente tão estranha a escrever coisas tão estranhas, a usar nomes que já existem e tudo. Lol.
    É o que dá ter chegado tarde e não perceber nada deste mundo. Gracias pelo link.

    ResponderEliminar
  8. É... Tipos esquisitos! De nada, pelo link.

    ResponderEliminar
  9. Amigo André
    gostei muito deste texto; todos nós já passámos por situações semelhantes, em certos momentos da vida, mas a capacidade de recuperção é notável, no ser humano...
    Abraço.

    ResponderEliminar
  10. Olá Amigo Pinguim,

    É mesmo o que nos vale, a capacidade re recuperação, neste mundo...

    Abraço

    ResponderEliminar

Deixe o seu comentário. Tentarei responder a todos. Obrigado