quinta-feira, 5 de julho de 2007

38 - Sofro, Lídia, do medo do destino.*

Sofro, Lídia**, do medo do destino. Qualquer pequena coisa de onde pode Brotar uma ordem nova em minha vida, ____Lídia, me aterra. Qualquer coisa, qual seja, que transforme Meu plano curso de existência, embora Para melhores coisa o transforme, ____Por transformar Odeio, e não quero. Os deuses dessem Que ininterrupta minha vida fosse Uma planície sem relevos, indo ____Até ao fim. A glória embora eu nunca haurisse, ou nunca Amor ou justa stima dessem-me outros, Basta que a vida seja só a vida ____E eu que a viva. RICARDO REIS, in. Poesia (*Poema número 38, Parte II, pp. 69-70, na Edição da Assírio & Alvim, de Outubro de 2000) **Substituam "Lídia" pelo nome da vossa amada (ou do vosso amado).

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixe o seu comentário. Tentarei responder a todos. Obrigado