quinta-feira, 7 de junho de 2007

rascunho encontrado num caderno abandonado #40

Pela primeira vez na vida senti-me invejoso. Nunca desejei, nunca quis, nada de ninguém. Nunca quis ser Outro. Mas hoje ao final do dia, enquanto passeava à beira-rio, gargalhadas sonoras esvoaçaram por entre a verde ramagem dos salgueiros como gorjeios de belas aves. E então, pela primeira vez, senti inveja: inveja das pessoas que são felizes, que conseguem ser felizes, nem que apenas um momento, um instante, o instante de um gorjeio espalhando-se pelo espaço, como o som de uma explosão, que num momento se mostra e depois se silencia. Eu nunca fui feliz. Ou talvez tenha sido. Num tempo que a minha memória já não vislumbra. Onde, nos espíritos das outras pessoas faz alegria, no meu faz silêncio, do mesmo modo que nuns lugares faz sol e noutros chove. Se ao menos nevasse...
#1, #2, #3, #4, #5, #6, #7, #8, #9, #10, #11, #12, #13, #14, #15, #16, #17, #18, #19, #20, #21, #22, #23, #24, #25, #26, #27, #28, #29, #30, #31, #32, #33, #34, #35, #36, #37, #38, #39,

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixe o seu comentário. Tentarei responder a todos. Obrigado