quarta-feira, 25 de abril de 2007

25 de Abril

O PAÍS SEM MAL Um etnólogo diz ter encontrado Entre selvas e rios depois de longa busca Uma tribo de índios errantes Exaustos exauridos semimortos Pois tinham partido desde há longos anos Percorrendo florestas desertos e campinas Subindo e descendo montanhas e colinas Atravessando rios Em busca do páis sem mal - Como os revolucionários do meu tempo Nada tinham encontrado Sophia de Mello Breyner Andresen In. Ilhas (a 1.ª edição é de 1989; podem ler este poema na página 56 da edição definitiva, de Fevereiro de 2004, da Caminho)

2 comentários:

  1. Um belo poema, de uma grande Senhora da poesia portuguesa para honrar uma data, que não pode ser esquecida, hoje, mais que nunca, com os fantasmas a quererem reaparecer, quais zombies bem manipulados por gente que nunca deixou de viver na penumbra do passado.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  2. Grande, grande Sophia... é mt bom vê-la p cá! :)

    ResponderEliminar

Deixe o seu comentário. Tentarei responder a todos. Obrigado