segunda-feira, 12 de março de 2007

(...) concedemos que aquilo a que se chama correntemente amor, nomeadamente o desejo de satisfazer um apetite voraz com uma certa quantidade de carne humana, delicada e branca, não é de modo algum a paixão por que me bato. Isso será mais propriamente apetite; e como nenhum glutão reluta em aplicar a palavra amor ao seu apetite e em dizer que adora este ou aquele prato, assim também o amante desta espécie pode, com igual propriedade, dizer que lhe apetece esta ou aquela mulher.

HENRY FIELDING, In. Tom Jones (1749)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixe o seu comentário. Tentarei responder a todos. Obrigado