terça-feira, 25 de agosto de 2009

TAMBÉM EU!

Imagem daqui.

rascunho encontrado num caderno abandonado #79*

– Amo-te – “A – mo – te”. Ouvia o eco límpido das três sílabas, distintas, desventrando a noite (e a vida) como relâmpagos. Tinha a certeza que sim. A memória não o enganava. Não aquela memória límpida e cristalina. Já passaram anos. Mas como poderá algum dia esquecer esta simples palavra, estas três sílabas lúcidas. Tinha a certeza que fora esta a palavra proferida anos antes. «Mas o que é dizer?» Pensava para si mesmo. Afinal, as palavras são ocas. As palavras não trazem consigo o objecto a que se referem. Qual a diferença entre uma palavra sedutora, que nos enche e ilumina, mas que não têm qualquer substância, e outra, que ainda que seja uma profunda expressão da alma, não provoca qualquer ressonância em nós? As palavras são meras pontes, janelas que se abrem sobre o horizonte, não trazem consigo os automóveis que as atravessam, nem os pores-do-sol dourados. Ouviria aquele eco antigo até ao último soluço de vida. Aquela palavra, sedutora entre as sedutoras, que como todas as outras, retiradas todas as contingências e idiossincrasias, não é nada mais que o som produzido pelas cordas vocais, e refinado entre a ponta da língua, o céu-da-boca e o ligeiro toque nos dentes – ou o traço, mais ou menos arredondado, da tinta sobre o papel.




rascunhos anteriores: #1, #2, #3, #4, #5, #6, #7, #8, #9, #10, #11, #12, #13, #14, #15, #16, #17, #18, #19, #20, #21, #22, #23, #24, #25, #26, #27, #28, #29, #30, #31, #32, #33, #34, #35, #36, #37, #38, #39, #40, #41, #42, #43, #44, #45, #46, #47, #48, #49, #50, #51, #52, #53, #54, #55, #56, #57, #58, #59, #60, #61, #62, #63, #64, #65, #66, #67, #68, #69, #70, #71, #72#73, #74, #75, #76, #77, #78,


*Excerto de um proto-romance, provavelmente da autoria de Fabrízio Tommasini

sábado, 15 de agosto de 2009

SPORT LISBOA E BENFICA

Um dia Deus desceu à terra, e como não tinha mais que fazer, entretia-se a revelar o futuro àqueles que encontrava. Ouvindo falar de tal milagre, Pinto da Costa apressou-se a ir ter com Deus para lhe perguntar se o seu F. C. Porto voltaria a ser campeão. Deus pensou alguns segundos, os suficientes para deixar Pinto da Costa a suar, e depressa lhe deu a resposta: sim, o F. C. Porto voltará a ser campeão, e ainda no teu mandato. Quando esta novidade chegou aos ouvidos de Bettencourt, este foi logo ter com Deus. Depois de lhe procurar sobre a sorte futura do seu Sporting, Deus pensou durante alguns minutos, parecia que ia responder, mas pensou mais alguns minutos. Passara quase meia-hora quando Deus finalmente falou: sim!, o Sporting voltará a ser campeão, porém não será no teu mandato. Bettencourt apressou-se a esconder tal revelação, não fossem pedir a sua demissão.

Alguns dias depois Luis Filipe Vieira, que anda sempre atrasado, finalmente teve conhecimento da vinda de Deus à terra. Foi ter com ele e fez-lhe a pergunta: O Sport Lisboa e Benfica voltará a ser campeão?! Deus pensou, pensou, pensou... as horas passavam, passou um dia, uma semana, um mês, meio ano, estava a época a aproximar-se do fim... Até que Deus respondeu: Sim!, o Sport Lisboa e Benfica vai voltar a ser campeão! Luis Filipe Vieira ficou eufórico, saltava, berrava, gritava "SLB! SLB! SLB!"... Quando finalmente sossegou um pouco, Deus concluiu: Porém já não será no meu mandato!

sábado, 1 de agosto de 2009

rascunho encontrado num caderno abandonado #78*

Talvez passe a escrever os dias antes de eles terem acontecido. Em vez de relatar aqui aquilo que aconteceu, escreverei o que acontecerá. Em vez de serem os dias a fazer as entradas do meu diário, será o meu diário a fazer os dias. Porque não há-de ser assim? Qual dos dois é mais real? Se andam de mãos dadas, porque há-de ser sempre o mesmo a indicar o caminho? Vou começar hoje. Ou talvez amanhã, que hoje estou de folga, e inverter tudo de um dia para o outro é muito trabalhoso. Sim, estou determinado. Em vez de ser eu a escrever o meu diário, vai ser o meu diário a escrever-me a mim. Antes, talvez desista de tudo. Sim, estou cansado. O melhor será abandonar a realidade. Agora, quero esta outra realidade. E quero-a mais real. Isto que ainda não foi, é o que aconteceu, a realidade foi um sonho.


rascunhos anteriores: #1, #2, #3, #4, #5, #6, #7, #8, #9, #10, #11, #12, #13, #14, #15, #16, #17, #18, #19, #20, #21, #22, #23, #24, #25, #26, #27, #28, #29, #30, #31, #32, #33, #34, #35, #36, #37, #38, #39, #40, #41, #42, #43, #44, #45, #46, #47, #48, #49, #50, #51, #52, #53, #54, #55, #56, #57, #58, #59, #60, #61, #62, #63, #64, #65, #66, #67, #68, #69, #70, #71, #72#73, #74, #75, #76, #77,

*Post escrito ao abrigo da erradicação do ponto de exclamação.