quinta-feira, 30 de abril de 2009

QUAL O LIVRO MAIS IMPORTANTE DA TUA VIDA #9



Aqui no blog temos apresentado essas escolhas e hoje mostramos os três últimos livros propostos, desta vez escolhidos por Rui Isidro (jornalista), Victor Pomar (artista plástico) e Zigud (realizador) e que são, respectivamente, "O Príncipe" de Nicolau Maquiavel, "O homem sem qualidades" de Robert Musil e "As velas ardem até ao fim" de Sándor Márai. (Mais informações no blog do Teatro Municipal da Guarda)

terça-feira, 28 de abril de 2009

QUAL O LIVRO MAIS IMPORTANTE DA TUA VIDA #8



"La possibilite d’une île” de Michel Houellebecq, foi escolhido por Susana Celina; “Memórias de Adriano” de Marguerite Yourcenar, foi a escolha de Vasco Queiroz; e "Siddhartha" de Hermann Hesse, foi o livro que Victor Afonso escolheu. (Mais informações aqui).


E assim, até agora, o único livro escolhido duas vezes é As Memórias de Adriano...

segunda-feira, 27 de abril de 2009

EM CHEIO NO ÂMAGO!*


*"Precisa-se de um amante"... Um, Dois, Três, Muitos!... Pena que aqui não haja!...  Lamento!... Profundamente!... Não sei se o Google tem alguma solução para esse problema!... Menos ainda entendo como é que aqui viste parar!... Se deixei algum por aí, perdido nalgum post, ficas desde já avisado(a) que é meu! Não tentes roubá-lo! No entanto... Duvido!... Volta sempre...!

QUAL O LIVRO MAIS IMPORTANTE DA TUA VIDA? #7



“Só” de António Nobre, foi a selecção de Manuel Poppe; “Páginas (VI)” de Ruben A, escolhido por Maria Alcina Rodrigues; e Rogério Pires elegeu “O Rei Lear” de William Shakespeare. (Mais informações aqui).

domingo, 26 de abril de 2009

QUAL O LIVRO MAIS IMPORTANTE DA TUA VIDA? #6



"Rosas desta manhã" de Augusto Gil foi o livro que José Teixeira escolheu; Maria Lino elegeu "Mémoires d’Hadrien" de Marguerite Yourcenar; e Manuel A. Domingos escolheu "A Musa Irregular" de Fernando Assis Pacheco. (Mais informações aqui).

sábado, 25 de abril de 2009

QUAL O LIVRO MAIS IMPORTANTE DA TUA VIDA? #5



Honorato Esteves escolheu "Um dia na vida de Ivan Denisovich" de Alexandre Soljenitsin; "CULTURA Tudo o que é preciso saber" de Dietrich Swarnitz foi a escolha de Osório de Andrade; e José Monteiro escolheu "A Criação do Mundo” de Miguel Torga. Mais informações aqui.

Ou será ao contrário?, i.e., não terão sido os livros a escolher-nos?

LIVROS, SEMPRE OS LIVROS, SEMPRE

Ontem, num debate sobre o livro e a leitura (no âmbito da comemoração do Dia Mundial do Livro), um orador disse que a maior angústia de um leitor apaixonado é a de ter consciência de que, por mais anos que viva, jamais conseguirá ler todos os bons livros que gostaria de ler. Esta sensação é tanto mais verdadeira quanto entramos numa grande livraria (em dimensão e qualidade) e nos deparamos com dezenas (centenas, milhares) de bons livros que ansiávamos ler mas que, por factores económicos e de falta de tempo, nunca conseguiremos ler. (Victor Afonso. Post completo.)

sexta-feira, 24 de abril de 2009

quinta-feira, 23 de abril de 2009

LIVROS - DIA MUNDIAL DO LIVRO

Amigos, conhecidos, e afins, que entram no meu quarto, perguntam-me, por estas ou por outras palavras, se já li todos os livros que entopem as estantes encostadas às paredes; quando lhes respondo que ainda não li mais de metade dos livros que ali tenho, perguntam-me porque é que continuo a comprar livros, se tenho tantos livros por ler... É neste ponto que, sem saberem, roçam o âmago da questão sem, contudo, lhe tocarem. É que na verdade, não são livros por ler que tenho no meu quarto: são livros para ler! Apenas não tiveram ainda o seu momento, a sua oportunidade, a sua hora! Eu não compro, nunca hei-de comprar, livros por ler; compro livros para ler! Talvez eu nunca venha a ter o momento, a oportunidade, a hora de os ler... Talvez... Talvez um dia alguém, que não eu, os venha a ler, talvez.. Porque os livros são para isso, para ler!



Imagem retirada do Blog o silêncio dos livros: Philippe Halsman [ Jean Cocteau ] 1948

manhã submersa, VERGÍLIO FERREIRA*

Não acabou. Era ainda segredo, o terrível segredo que há muito o atormentava e já de uma vez estivera quase a revelar-me. Dei voltas ao meu juízo, mas nada descobri. Já a camioneta gemia na escalada da serra para a Guarda e um desamparo maior nos despojava de nós próprios no silêncio recolhido de todos os passageiros, suspensos do abismo do longo vale submerso. Uma chuva miúda batia-nos agora de frente, de lado, escorria lentamente pelas vidraças. Até que, sofrendo sempre ao longo da rampa íngreme como se vencesse um calvário, a camioneta chegou enfim à praça da Sé e desembaraçou-se de nós, largando-nos à pressa, com todas as portas abertas. Um vento selvagem, sem cabresto, cavalgava pelas ruas, fazia distúrbios na praça, punha em alvoroço as nuvens de chuva. Desencorajado, abandonado de toda a gente que fugia pelas esquinas, olhei em roda como no centro de um deserto. [Bertrand Editora (19.ª Edição) Vendas Novas: 1997, p. 99].

O único romance que reli!

*23 de Abril - Dia Mundial do Livro. No Table of Contents, Café Concerto do Teatro Municipal da Guarda.

quarta-feira, 22 de abril de 2009

GREGOIRE - ESTREIA 22 ABRIL 21H30


Um apicultor com discurso erudito entre vapores de alucinação retrata-nos a vaidade do hominídeo que venera a arte primata: a aberração do conceito, derivado conceptual, no corpo de um presidente de galeria na sua exuberante inauguração.




Texto: Galo Porno

Dramaturgia e Encenação: João Louro

Personagens/Actores:
Narrador/Apicultor: Gabriel Godinho
Presidente da Galeria: João Manso
Chimpanzé Gregoire: Silvia Amaral
Directora: Carla Morgado
Criados: João Louro e David Silva

Direcção Musical: João Clemente

Músicos:
Edgar Ferreira - Guitarra Eléctrica
João Clemente - Electrónica
Renato Folgado - Violino

Figurinos: João Louro
Máscaras: Daniel Pereira
Cartaz: Tiago Rodrigues
Som e Luz: Luis Andrade
Produção Executiva: Anabela Teixeira

Produção: Aquilo Teatro

Apoio:

Câmara Municipal da Guarda
Teatro Municipal da Guarda
Instituto Português da Juventude
ADM Estrela

Apoio à divulgação:
A Guarda
Nova Guarda
O Interior
Terras da Beira

22 e 23 de Abril de 2009 -21h30

Caixa do Grande Auditório - Teatro Municipal da Guarda

Duração: 45m

Classificação etária: Maiores de 12

Bilhete: 5€

Bilheteira:
Tel. 271 205 241
Fax 271 205 249
Email: bilheteira@tmg.com.pt

De terça-feira a sábado, das 17h às 20h
Em dias de espectáculo, das 17h00 às 21h30.

As reservas podem ser efectuados por telefone, fax, email ou directamenta na bilheteira do Teatro Municipal da Guarda: Rua Batalha Reis//Guarda.

QUANDO A CRIATURA SE VIRA CONTRA O CRIADOR #4

QUAL O LIVRO MAIS IMPORTANTE DA TUA VIDA? #3



Cem Anos de Solidão, de Gabiel García Márquez, foi a escolha de Alexandra Isidro; António José Dias de Almeida escolheu O Estrangeiro, de Albert Camus; e César Prata escolheu a obra Tia Suzana, Meu Amor, de António Alçada Baptista. (Ver mais aqui).

segunda-feira, 20 de abril de 2009

QUAL O LIVRO MAIS IMPORTANTE DA TUA VIDA?*


O Teatro Municipal da Guarda pediu a várias pessoas ligadas à cidade que escolhessem o livro da sua vida, a propósito do dia mundial do livro, que se celebra a 23 de Abril. As escolhas estão expostas no Café Concerto do Teatro, onde podem ser vistas, bem como um pequeno excerto do livro em questão e - em alguns casos - o motivo da escolha. O blog do Teatro Municipal da Guarda está também a publicar as escolhas. Deixo aqui as capas das três primeiras escolhas reveladas, que já havia publicado aqui. O Principezinho, de Antoine de Saint-Exupéry, escolhido por Agostinho da Silva; Outono em Pequim, de Boris Vian, escolhido por Pedro Dias de Almeida; e *manhã submersa, de Vergílio Ferreira, escolhido por mim. Claro que uma escolha deste género obedece a critérios muito - digamos - aleatórios: provavelmente daqui a uma semana, ou um mês, ou um ano, a escolha seria outra; digamos assim: manhã submersa é um dos livros mais importantes para mim; de entre as escolhas possíveis, foi a que prevaleceu...

QUANDO A CRIATURA SE VIRA CONTRA O CRIADOR #2

sábado, 18 de abril de 2009

DESCONHECIDO PROCURA-SE


Foi visto pela primeira e última vez na estação rodoviária de Évora.

DIA:16 de Abril de 2009, Quinta-feira.

HORA: Entre as 16h e as 16h30m.

Tem cabelo castanho, usava barba e media cerca de 1,80m. Vinte e poucos anos. Vestia um casaco comprido (acima dos joelhos) preto ou azul escuro (um duffle coat), calças beges, ténis.

Comeu um gelado.

Apanhou o Expresso das 16h30m com destino a Coimbra mas com paragem nos seguintes locais: Montemor-o-novo; Coruche; Santarém; Fátima; Leiria; Coimbra. Ou seja, possivelmente mora em uma destas localidades.

ÉS TU? QUERES AJUDAR A ENCONTRÁ-LO? VÊ AQUI.

sexta-feira, 17 de abril de 2009

TABLE OF CONTENTS


Conforme o prometido aqui, a partir de hoje e até ao final deste mês, destacamos no blogue diariamente, no âmbito da iniciativa Table of Contents e a propósito do Dia Mundial do Livro, as escolhas literárias de um vasto leque de personalidades ligadas à Guarda.
E aqui estão as três primeiras:
O professor e ex-autarca Agostinho da Silva escolheu "O Principezinho" de Antoine Saint Exupéry; O jornalista e editor de cultura da revista "Visão" Pedro Dias de Almeida destacou "O Outono em Pequim" de Boris Vian; e o poeta André Benjamim escolheu "Manhã Submersa", de Vergílio Ferreira.
Motivos, desabafos ou explicações para as escolhas estão nos stand up's informativos do Café Concerto, a partir de hoje... (fonte)

Texto retirado do blog do Teatro Municipal da Guarda. Não dispensa a visita do mesmo.

segunda-feira, 13 de abril de 2009

A FALSA PUDICÍCIA, O FALSO PURITANISMO*

Uns proíbem lingerie preta, outros retiram os livros com conteúdo gay do catálogo. A mim, a moral parece-me a mesma! Ou, a minha moral é melhor que a tua, toma, toma, toma! Perguntar «Quando é que a Humanidade crescerá?» seria ofender as Crianças! E as Crianças, já dizia o Fernando, são o melhor do Mundo! Temo que se tenha enganado num pormenor! As Crianças são a única coisa boa do Mundo!

*Perdoem-me a dupla redundância! Imagem retirado do artigo do El Mundo.

rascunho encontrado num caderno abandonado #73

Todos os investigadores chegaram à mesma conclusão: a vítima foi morta pela pessoa por quem daria a vida! O criminoso nunca foi descoberto, a arma do crime não foi encontrada, o motivo nunca foi desvendado. O Amor escolhe estranhos caminhos, incompreensíveis para a Lógica.

sábado, 11 de abril de 2009

BALANÇO TRIMESTRAL

Após haver decorrido o primeiro trimestre do ano 2009, é momento de fazer o balanço. Tendo como referência o orçamento apresentado a 7 de Janeiro, e após numerosos e minuciosos cálculos, os dados obtidos não dão margem a qualquer tipo de dúvida: a estagnação é maior que a das águas de um paúl, havendo mesmo o risco de entrar em recessão, que é como quem diz (fazendo uso do eufemismo politicamente correcto): crescimento negativo. Perante este cenário vemo-nos na obrigação de diminuir o tamanho dos sonhos, não sabendo ainda se, para sobreviver a esta crise, não seremos mesmo obrigados a deixar de sonhar. Neste momento de imprevisibilidade ainda não dispomos de dados que nos permitam fazer previsões de uma data para o início de um novo ciclo: a esperada retoma. Não quero alimentar-vos ilusões, a depressão pode ir de instantes a anos. Não sabemos se é Aguda, Grave, ou Crónica. Porém, de uma coisa temos a certeza: para recuperar desta depressão, o mundo não precisa de economistas, banqueiros, empresários ou governantes! Aquilo de que este mundo precisa é de psicólogos e psiquiatras: este mundo é louco!


Imagem de Javier Jaén

sexta-feira, 10 de abril de 2009

TELENY ou O REVERSO DA MEDALHA

Teleny ou O Reverso da Medalha, novela pornográfica, atribuída a Oscar Wilde. Curioso é que em nenhuma das notas bio-bibliográficas dos livros que tenho do Oscar Wilde - assim por alto, que não tenho paciência para os ir contar, devem ser uns 10 - seja referida a existência desta obra! O que para um individuo como eu, que gosta de ler todas as obras dos seus autores preferidos, por menores que elas sejam, é algo revoltante! Imaginemos que não tinha curiosidade em saber mais da vida do autor! Deixava esta minha pequena existência sem ter lido a obra completa do Oscar, pensando que o fizera! Embora seja duvidosa a autoria, é inegável a ligação de Wilde a esta obra. E isso basta para que deva ser referida nas notas biográficas! Editores da tanga! Com pruridos morais! Quanto ao livro em si, vale apenas por ter o nome do Oscar Wilde na capa, e, talvez, por isto: «"Vivemos num mundo deplorável!"
«"Mas como temos de viver nele, convém aproveitar o melhor possível todas as oportunidades e não ver as coisas pelo lado trágico, como tu."»
Que ninguém se lembre de ressuscitar ao terceiro dia! Já há religiões que chegue!

quinta-feira, 9 de abril de 2009

CONFISSÃO DE UM ASSASSÍNO*, ups, não era para dizer!...

Odeio a Assírio & Alvim! Odeio! Odeio! Odeio! Porque têm as capas mais originais! Porque o papel tem uma textura que apetece comer! Porque o tamanho e o tipo de letra dá vontade de ler, mesmo que o texto não nos diga nada! Porque se pudesse comprava todos os livros do catálogo! Porque têm os autores que eu mais gosto! Porque às vezes pintam as folhas! Porque as capas têm cores que são inexplicáveis! O Azul nunca é bem apenas Azul! E têm aquele Amarelo Torrado! E o Prateado! E o Dourado! E o Roxo, Violeta, Cor-de-Vinho! E o Laranja, já vos falei do Laranja? O Laranja do Kafka e do Pasolini! E aquele Castanho! Eu já lhe dei um nome! O Castanho-Assírio & Alvim! Ah, e o Turquesa? Digno de uma Marquesa! Não sabem que Castanho é esse?! Hereges!












*Por tudo isto dá-me ganas de matar os tipos da Assírio & Alvim! Portugal não merece uma editora assim! (Um assassino tem que se inspirar noutros assassinos!)
Às vezes, às voltas pela blogosfera, descobrem-se coisas demasiado bonitas, como este desenho do Martin. E um gajo como eu suspira! «Ai! O que eu não dava para conseguir desenhar assim!*» O que eu não dava resume-se a uma coisa ou duas! Coisas menores, sem importância nenhuma... Deixem-me suspirar outra vez! «Ai!»

















*Isto faz-me lembrar que me apetece estrangular a minha professora primária por me ter obrigado a usar a destra mão, em vez da outra, a canhota, que era a minha destra...

segunda-feira, 6 de abril de 2009

101 PESSOAS SIMPÁTICAS E BONITAS*

Agradeço aos 2 seguidores que tiveram a atitude sensata e inteligente de me desseguir, pois é graças a eles que hoje chego pela segunda vez a este simpático e redondo número; mas maior admiração devo às resistentes 101 pessoas que me acompanham (cuidado, não caiam no abismo) neste momento em que escrevo o post número 1240! É que aturar-me, e aos meus posts sem jeito nenhum, é tarefa que não está ao alcance de qualquer um! Eu próprio, que me acompanho há um número infindável de dias, estou constantemente a soçobrar. Obrigado meus bravos e corajosos companheiros! Juntos, chegaremos a outras metas, juntos ambicionaremos o mundo, a lua, o sistema solar, e um dia quem sabe, a via láctea, o universo! E o que para além dele houver! Juntos triunfaremos, divididos tombaríamos (o.k., esta é inspirada no verso de uma música dos Pink Floyd). E mesmo que um dia nos separemos, nunca esqueçamos as sábias palavras de Dylan Thomas: Ainda que os amantes se percam, o Amor permanecerá! (tradução livre de Though lovers be lost, love shall not). E a Morte perderá o seu domínio!


*TAMBÉM CONHECIDAS POR «SEGUIDORES». CÁLSSIO, NÃO ESTÁS SOZINHO! NÃO SE ESQUEÇAM QUE O SEGUIDOR 1001 TEM DIREITO A PRÉMIO! GOSTAVA DE TER MAIS TEMPO E DISPONIBILIDADE PARA VIR PARA AQUI DISCURSAR SOBRE A IMPORTÂNCIA DE (NÃO) ME CHAMAR ERNESTO, MAS COMO OS MEUS INTELIGENTES AMIGOS JÁ SE DEVEM TER APERCEBIDO... NÃO TENHO! NÃO CONTEM ISTO A NINGUÉM (SHAME ON ME!): COMPREI MAIS ALGUNS LIVROS: DO YUKIO, DO OSCAR, DO HERBERTO, E DO DINIS... VIRAM AS VOLTAS QUE TIVE QUE DAR PARA JUNTAR O NOME DESTES QUATRO AUTORES NO MESMO POST, E AINDA FALEI DOS PINK FLOYD E DO DYLAN THOMAS! SÓ FALTOU O FERNANDO E OS QUEEN, E...

quarta-feira, 1 de abril de 2009

PRÉMIO SAIR DAS PALAVRAS

O Daniel, primeiro, e o James, depois, ofereceram-me o Prémio Sair das Palavras, que exponho aqui na estante. É bonitinho, e fica "giro" junto dos outros. Muito Obrigado. Entretanto, lembro-me que andam por aí alguns prémios que ainda não expus aqui na sala dos troféus blogosféricos; as minhas desculpas aos oferentes de tão generosas prendas, mas por vezes não temos tempo, deixamos passar, e quando nos recordamos, já não sabemos por onde andam. Assim, aqueles que me ofereceram algum destes prémios e o não viram aqui exposto, podem (e devem) reclamar, pois a procrastinação reina nesta casa... Ah! E um dia, podem ter a certeza!, hei-de esculpir a estatueta a atribuir por este postigo!