quarta-feira, 1 de julho de 2009

rascunho encontrado num caderno abandonado #76*

xx anos que sinto que vivo uma vida que não é a minha; sou um estranho dentro do meu corpo; sou um estranho em mim mesmo. Preferia ter morrido naquela tarde do dia zz de hhhhh de yyyy. Este que continua a habitar-me é um moribundo sem apetite, que mal consegue comer - que se arrasta através dos dias - que tem problemas de saúde - física, emocional, e psicológica - sim, apenas em consequência dessa tarde, desse segundo, desse momento! Sim, preferia ter morrido! Não lhe teria feito qualquer diferença - e eu não tinha passado por isto.
Sinto que entrei no palco errado, onde decorre uma narrativa completamente diferente da minha! Não sei o meu espaço, a meu papel, as minhas entradas e saídas! Estou acossado contra a parede - e a cortina final teima em nunca mais descer!



rascunhos anteriores: #1, #2, #3, #4, #5, #6, #7, #8, #9, #10, #11, #12, #13, #14, #15, #16, #17, #18, #19, #20, #21, #22, #23, #24, #25, #26, #27, #28, #29, #30, #31, #32, #33, #34, #35, #36, #37, #38, #39, #40, #41, #42, #43, #44, #45, #46, #47, #48, #49, #50, #51, #52, #53, #54, #55, #56, #57, #58, #59, #60, #61, #62, #63, #64, #65, #66, #67, #68, #69, #70, #71, #72#73, #74, #75,


*Rascunho publicado ao relento, do Parque de Campismo de São Pedro de Moel. Fotografia de Hugo Rebelo. Quem quiser vir tomar uma qualquer bebida - até um copinho de leite! - está convidado/a.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixe o seu comentário. Tentarei responder a todos. Obrigado