domingo, 21 de junho de 2009

JORGE DE SENA*

Ultimamente chego sempre atrasado às notícias, e apenas hoje me apercebi do porquê de repente começarem a surgir posts sobre Jorge de Sena na blogosfera, como cogumelos no Outono. Fiquei assim a saber que vão transladar os restos mortais do autor para Portugal. Jorge de Sena é dos autores injustamente esquecidos um dos mais injustamente esquecidos; temo que o transladar dos seus restos mortais para Portugal signifique apenas a sua morte definitiva entre nós: os restos imortais do autor hão-de continuar esquecidos: porque as palavras de Jorge de Sena são tão inconvenientes para o fascismo de ontem, como para a democracia de hoje: porque os homens verdadeiramente livres e independentes causam terror aos homens que se mascaram com ideologias balofas nas suas trincheiras políticas, e literárias. Temo que Portugal e os Portugueses já não vão lá [seja o «lá» onde for] nem com sinais de fumo, quanto mais com Sinais de Fogo!

*A propósito de Jorge de Sena, não deixar de ler estes dois posts de João Gonçalves: O Preço de Não Recuar, e Ainda Sena. Também a propósito de Jorge de Sena, quem perdeu o programa Grandes Livros, na RTP2, na última sexta-feira, não devia ter perdido!

6 comentários:

  1. André
    sei que me vais "esconjurar", mas é por haver tanto culto a Pessoa ou Saramago, que por vezes escritores como Jorge de Sena "parecem" esquecidos...
    Não é o teu caso, mas tu és uma excepção, afinal és um escritor...
    Nunca no meu blog transcrevi algo de Pessoa (há tantos que o fazem), mas tenho deixado palavras de outros, que tantos esquecem; não sou anti-pessoano, longe disso; apenas não o incenso como único...
    Abraço.

    ResponderEliminar
  2. Pois é verdade, Jorge de Sena é infelizmente injustamente esquecido. Pode no entanto ser que este acontecimento não seja o fim do fim ... não vamos sofrer por antecipação. Quanto aos sinais e ao não irmos "lá" já bom seria que soubéssemos por onde não ir ...

    ResponderEliminar
  3. Obrigado por esta tua entrada sobre o Jorge de Sena. Espero que não te importes de eu a ter transcrito para o nosso blogue. Um abraço,

    ResponderEliminar
  4. Amigo Pinguim,

    1) Jamais esconjuraria um amigo; quanto muito esfolava-o vivo!

    2) Entendo o que queres dizer; porém, há sempre lugar para mais um!

    3) Quanto ao culto ao Fernando Pessoa, como te disse, o Jorge de Sena é um dos "culpados"

    4) Um grande Abraço

    P.S. ) Espero que em breve acabes com essa lacuna - a de nunca teres transcrito nada de Pessoa!

    Quanto ao Zézito, está visto que temos opiniões quase religiosas...

    ResponderEliminar
  5. Fernando,

    Sabes, penso muitas vezes que nós, os Portugueses que estamos em Portugal, somos aqueles que ficaram para trás, os mais fracos - ou com pouca sorte - aqueles que iam numa nau que naufragou... Para nossa sorte - ou azar - demos à costa de onde partíramos...

    Esperemos que estejamos enganados.

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. Olá Luís é claro que não me importo! Forte abraço para vocês.

    ResponderEliminar

Deixe o seu comentário. Tentarei responder a todos. Obrigado