terça-feira, 24 de março de 2009

edicoes do galo: as tuas palavras*

_______ #1 porque as tuas palavras são
claras como a água sem precisarem de cloro
ou lixívia e porque tuas ideias nelas soam
ritmadas sem adornos dourados ou pesos
supérfluos te escutam benevolentes os homens
que antes te perseguiram acusado de muito
escrever sem nada fazer que além fosse das
letras; e hoje marcham sobre o teu canto, e
hoje se queimam sob o teu canto – porque
descobriste a clareza da ribeira com o leito
sossegado dás de beber da água que corre
pelo pó repousado aprendendo que na margem
deve ficar quem não quer enturvar a sede do
outro lado
.
_____ #2 agora te espantas por que não falam
assim todos admirando como tentam falar uns com
os outros. e descobres que vão nus debaixo de muito
discurso; e percebes que descalços pensam pisar
tapetes. mas o vento que vem forte atira com eles,
e o tempo frio os aniquila; mas o caminho pedregoso
desfaz-lhes os pés, e o tempo quente os aniquila.
em busca da dignidade humana apagaram a dignidade
animal; assim perecem reunidos e esqueléticos como
fósforos na caixa do demónio que traz a luz. encontram
ao fim todos o carvão com o fumo pelas terras; e
calados se espalham impotentes ao longo dos campos
que alimentam netos desconhecidos
.

*poema de galo porno, publicado no blog edicoes do galo. há anos que me intrigava: quem seria o galo porno? agora já sei. e a minha vida é ainda a mesma. ou não.

1 comentário:

Deixe o seu comentário. Tentarei responder a todos. Obrigado