sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

O MEDO DE VIVER

Chego à cidade e procuro um abrigo para as duas ou três horas que se seguem. Já é noite, e em breve chegará a madrugada de um novo dia. Outro dia. Entro no café do costume, mas as mesas estão vazias. Os outros clientes, a que me habituei a cumprimentar com um aceno de cabeça, ou com um vago apertar de mãos, ainda não chegaram. O tempo passa, talvez já não venham esta noite, esta noite calma e amena. Peço um café. Com um ar aborrecido, o empregado dirige-se para a máquina. Nem curto, nem cheio. Bem quente. Rasgo o pacote num canto, deito o açúcar todo, e enrodilho-o. Atiro-o para o cinzeiro, fico a remexer o açúcar. Olha que arrefece, avisa-me. Eu sei, eu sei. Gosto dele frio. Então porque é que o podes bem quente. Para ter tempo para o arrefecer. Abana a cabeça. Estou de pé junto ao balcão. O empregado vai para a outra ponta, conversar com um cliente que olha para a televisão com distrído interesse. Talvez esteja ali há horas, esperando que cheguem aqueles que se habituara a cumprimentar todas as noites, como se fossem amigos, aqueles com quem discutia futebol, política, a operação Stop que a GNR fez junto à rotunda, o habitual. Mas eles não chegam. Tiro uma moeda da carteira e deixo-a sobre o balcão. Já volto, informo. O empregado limita-se a acenar. Já não volto. Entro no carro e arranco. Ainda é cedo, penso. Nas ruas não circula nenhum carro, não se vê ninguém a pé. As luzes das casas e apartamentos estão apagadas. Um enorme silêncio parece querer asfixiar-me.

12 comentários:

  1. olá,

    fico encantada com o a leveza como posta assuntos tão irrevelantes e que de repente, como num passe de mágica,
    tomam cor e forma

    mto bom estar por aqui

    :)

    ResponderEliminar
  2. Amei. Ou de como uma trivialidade pode dar um belo texto. escreves bem mas sobretudo arrancas de dentro o que sentes...

    ab**ço

    ResponderEliminar
  3. Solidão a frio. Quem não a conhece? Abraço, bom fim-de-semana!

    ResponderEliminar
  4. para a proxima vez pedes o cafe frio e mexes mexes ate o aquecer,talvez leve mais tempo que para arefecer.abraco

    ResponderEliminar
  5. Ola moço!
    Passando aqui para conferir as novidades e deixar presença marcada!
    Beijo grande!

    ResponderEliminar
  6. e quem nunca se viu assim numa destas noites?

    ResponderEliminar
  7. obrigado teresa... é apenas um desabafo sobre os tempos (de crise) que correm... beijinho

    ResponderEliminar
  8. Arranco a ferros, e às vezes dói, amigo Daniel... mas não o digamos a ninguém ;-) Abraço

    ResponderEliminar
  9. não é bem a solidão, neste caso, amigo Vasco. é o clima depressivo que invadiu as nossas cidades... parece que as pessoas têm medo de sair de casa... abraço

    ResponderEliminar
  10. ó gandra (qual deles), tens cada ideia! ainda queimava a língua! abraço

    ResponderEliminar
  11. olá Camila, obrigado pela visita. volta sempre. beijinho

    ResponderEliminar
  12. olá Sara, ultimamente são quase todas assim... beijinhos

    ResponderEliminar

Deixe o seu comentário. Tentarei responder a todos. Obrigado