sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

O Principezinho

Ao deambular pela blogosfera, qual aviador que caiu no deserto, deparei-me com esta adaptação da obra homónima de Antoine de Saint-Exupéry, publicada em Dezembro passado pela Editorial Presença, da autoria de Joann Sfar. Eu, que todos os anos costumo oferecer a mim mesmo uma prenda de Natal, já que mais ninguém me oferece nada (pijamas não contam!), e este ano quebrei a tradição, vou ter que me dar uma prenda de Natal atrasada. Enfim, mais uma vez encontro O Principezinho...

10 comentários:

  1. Adorei esse livro !
    Podemos trocar links?Espero q goste do meu tb !

    ResponderEliminar
  2. Já tinha "reparado" no livro; mas nada substitui o original, é para mim o livro da minha vida...
    Abraço.

    ResponderEliminar
  3. O original é melhor! Esse menino parece um androide!!!! Buah. =P

    ResponderEliminar
  4. André desculpa eu sei que sou uma insensível
    Não fiques triste comigo, mas eu não achei piada nenhuma ao Principezinho…
    Qualquer dia leio outra vez e digo-te o que senti…
    Prometo ;)

    ResponderEliminar
  5. Hola .. Estoy tratando de traducir y leer su blog .. Jajaja

    ResponderEliminar
  6. Olá Lucas, O Principezinho é o livro que mais adoro e que mais detesto. Já comprei tantos exemplares, e dei-os todos, não os suporto cá em casa... puxa-me as lágrimas, e eu detesto coisas piegas que nos fazem chorar. Olha, só gosto de números... Ir-te-ei visitar. Até Já.

    ResponderEliminar
  7. pois, amigo pinguim, nada substitui o original; mas justamente por também ser um dos livros da minha vida, é que este aqui me deixa de água na boca... abraço.

    ResponderEliminar
  8. olá Rute, claro que nada alcançará a iconografia do original, que por ser original é um ícone... no entanto... eu até acho engraçado o "andróide".... beijo

    ResponderEliminar
  9. olá sofia. já li o livro muitas vezes - julgo que é o livro que mais vezes li, embora não tenha nenhum apontamento contabilistico que o prove... ouve momentos em que o achei engraçado, noutras de uma incrível crueldade, noutras ainda apenas uma ternurenta história... beijinho

    ResponderEliminar
  10. hola boo-lah, gracias por tu visita. vuelve siempre qué quieras, es bienvenido. cuanto a traducir y leer el blog, púes, eso es un trabajo qué te dejo. pero, si comprendes castellano, pienso qué es fácil leerlo en portugués, no? saludos.

    ResponderEliminar

Deixe o seu comentário. Tentarei responder a todos. Obrigado