terça-feira, 13 de janeiro de 2009

DESAFIO

ANTES DE MAIS CONVÉM DIZER ISTO: NÃO ME RESPONSABILIZO POR EVENTUAIS ACIDENTES! Dito isto, desafio-vos a tentar travar com o pé esquerdo! Qual a dificuldade, estaréis provavelmente a pensar. Pois, àqueles que tentarem, e conseguirem, desafio-vos a deixar um comentário com o relato da experiência. Mas, uma vez mais: não me responsabilizo por qualquer acidente; e depois não me digam que não vos avisei! Vá, vão lá pegar no vosso automóvel e tentem travar com o pé esquerdo...! Aposto que... Bem, depois digam qualquer coisa! (Apenas um último conselho, já que - estou a ver - não vos consigo demover: antes de tentar, certifiquem-se que não vem ninguém à fossa dianteira, nem à vossa traseira; e coloquem o carro em ponto-morto. É o mínimo que podem fazer - pela vossa segurança e pela dos outros, visto está que não vou conseguir convencer-vos a não tentar travar com o pé esquerdo...)


Agora, àqueles que já tentaram, deixem um relato da vossa experiência!

11 comentários:

  1. A única vez que isso me aconteceu, foi na primeira aula de condução, há 7 anos e devo dizer que foi qualquer coisa...e a sorte foi que ia muito devagar, mas mesmo assim fiquei no meio de um cruzamento...mas devo dizer que sou boa condutora hoje em dia...uma falhazita acontece aos melhores :D
    Beijo!

    ResponderEliminar
  2. :) eu já travei com o pé esquerdo. Sou canhota e "quis saber" como era.

    Nunca mais repeti a experiencia, não fazia a minima ideia da força que o pé esquerdo tem (ou falta de sensibilidade)

    ResponderEliminar
  3. Não me convences com essa....posso-te garantir que aqui a "je" nem sequer vai tentar tal aventura.:P

    ResponderEliminar
  4. Isso já foi ha muitos anos. Era eu quase um puto. Estava a conduzir e a pensar em coisas boas, a certa altura surge um animal na estrada e penso: o que é suposto que eu faça? Travar, pensei logo de seguida. Como? Com o travão, pensei logo. Onde está ele? Aqui por baixo, pensei! Nessa altura, qual fosse o pé responsável pela travagem, era a coisa menos importante. O cão ficou óptimo. Eu, apesar da idade, contínuo a conseguir pensar rápido.

    ResponderEliminar
  5. Olá Estrela Cadente. Como tu relatas, foi mesmo uma experiência "única", razão pela qual eu aconselho toda a gente a experimentar... hehe... Beijinho.

    ResponderEliminar
  6. olá pinguim, vá lá, só por uma vez, nem que seja num descampado, vais ver que não custa nada... O nosso cérebro é um brincalhão do caraças... Abraço.

    ResponderEliminar
  7. Olá Margarida, e confessa lá, não foi uma experiência única?! Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Olá MT, um dia destes não vais conseguir resistir, eu sei. A ideia vai ficar a bailar-te no cérebro até que... Zás, já tá!

    ResponderEliminar
  9. Olá White Scratcher, Para travagens repentinas não há nada como o pé esquerdo! Acho que até deviam ensinar isso nas escolas de condução!

    ResponderEliminar
  10. Li este post e achei engraçado porque apesar de nunca ter sido possuidor de uma casa enlatada com 4 rodas (desculpem-me os possuidores, o nome que dou aos automóveis), andei mais de 40 anos em cima de duas rodas (sem casa à vista a não ser por onde passava) e o meu pé esquerdo era bem sensível quer às mudanças, quer ao travão de pé... porque há uns anos bem bons, tive uma duas rodas com travão de pé e mudanças do lado esquerdo (e não sou canhoto, juro!).
    Será porque a pressão numa moto é diferente da de uma viatura? Não posso responder... mas gostaria de saber de quem possui as duas coisas: duas e quatro rodas.

    ResponderEliminar

Deixe o seu comentário. Tentarei responder a todos. Obrigado