quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

MEMÓRIA FUTURA; MEMÓRIA PASSADA

Cada dia que passa, a minha vontade de partir é maior, mas cada vez mais me resigno à ideia que talvez nunca venha a partir. Para partir, talvez precise de ensandecer, ou talvez precise somente de companhia. Não sei... Mas:

Um dia vou partir pelo mundo fora de mochila nas costas, dizendo adeus até nunca mais a tudo quanto se cruzar comigo... vou despir-me desta corda asfixiante de esperanças e expectativas, de sonhos e objectivos, de desejos e pretensões, que me tolhe a vontade, e partir... vou partir, só, e sem direcção, rumo ao pôr do sol como Lucky Luke; abandonar os meus livros como Dom Quixote, o fidalgo cavaleiro de La Mancha; vou desapertar a gravata das contas, das prestações, dos cumprimentos, rasgar as camisas dos papéis que tenho aceitado desse encenador cínico chamado Vida, homem com nome de mulher, como nas personagens de Vian. Vou queimar esta roupa encharcada de hipocrisia e partir. E a cada passo direi olá adeus até nunca mais alegre ou triste não sei pessoa que te cruzas comigo. E conversarei também com os objectos, os prédios e os carros, prisões que inventámos e a que chamámos Liberdade, e caminharei na companhia das árvores e dos pássaros, sob a sombra das nuvens, as maravilhosas nuvens que passam... E a cada passo ir-me-ei despindo para que a Morte me encontre nu e eu me possa entregar por completo.

12 comentários:

  1. Mesmo sendo devaneio...adoro os teus escritos...beijinhos

    ResponderEliminar
  2. partir para onde?
    já tem um caminho?
    um trajeto?
    ou só vai partir?
    sair?
    ir?

    ResponderEliminar
  3. Partir é sempre aliciante, mesmo que seja apenas em pensamento...
    Abraço.

    ResponderEliminar
  4. hahaha... Foi mais ou menos em um dia assim que decidi largar minha vida no Brasil e comprar uma passagem e ida para a Italia com apenas a primeira noite reservada em um hotel.

    No final das contas, conforme o tempo passa, vem a vontade de recriar um ambiente conhecido, aconchegante e cheio de objetos que nos prendem, mas ao mesmo tempo por aquela fraçao de tempo podem nos divertir e tornar a vida mais interessante.

    Pensei que nunca mais teria um computador na minha vida e depois de 10 dias de aventura comprei não só o computador como todos os acessórios necessários para me "conectar" com o mundo.

    E assim caminha a humanidade, em ciclos e fases... :)

    ResponderEliminar
  5. Olá Estrela Cadente,

    um dia talvez transforme o devaneio em acção... por agora é apenas vontade, vontade que se vai acumulando... chegará o momento em que, ou explode, ou implode... logo se verá. Beijinhos.

    ResponderEliminar
  6. Olá Mnemósine,

    Obrigado pela visita e pelo comentário. Beijinho

    ResponderEliminar
  7. ai que vontade, caos da teoria, ai que vontade...

    ResponderEliminar
  8. olá Foxx,

    sempre com perguntas difíceis?!

    partir para onde? pouco importa para onde, partir é o mais importante...
    já tem um caminho? ... pois como dizia o poeta, o caminho faz-se caminhando...
    um trajeto? ... preferencialmente longo, com muitas curvas e lugares recônditos...
    ou só vai partir?
    sair?
    ir? ... numa volkswagen, talvez...

    Abraço.

    ResponderEliminar
  9. Olá Pinguim, no pensamento parti há muito, e ando muito longe (so, so far away...) a minha mente partiu, o meu corpo continua... Abraço.

    ResponderEliminar
  10. Olá Brasil, Isso é que é um mistério para mim, essa força, coragem, espírito aventureiro, sei lá, partir, de um dia para o outro, numa viagem a ver o que dá... Se fosse um segredo possível de transmitir, eu daria tudo o que tivesse para vislumbrar um pouco... Abraço

    ResponderEliminar

Deixe o seu comentário. Tentarei responder a todos. Obrigado