sábado, 18 de outubro de 2008

E SE PUDESSES VOLTAR ATRÁS?!

Voltavas a correr para os seus braços e voltavas a agarrar-te com a mesma força e impetuosidade ao seu corpo, apesar de todos os dias morreres um pouco e todos os dias sentires essa revolta e esse ódio; e voltavas a acreditar nas suas palavras e numa felicidade incomparável, ainda que todos os dias te perguntes como pudeste acreditar em palavras tão vãs e digas para ti mesmo que o que mais querias era nunca teres conhecido a única coisa por que trocarias a vida. Se pudésses voltar atrás voltarias a errar e a arrepender-te, e voltarias a acreditar e a amar, e voltarias a querer voltar atrás, e passarias a eternidade a voltar atrás, da mesma maneira que todos os dias dizes a ti mesmo que vais esquecer, e passas os dias a recordar.

15 comentários:

  1. Ola cunhado, espero que esteja tudo fixe por ai. Realmente tens toda a razao se podesse voltar atras estaria constantemente a cometer os mesmos eros. Um abraco e um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Ai que pergunta!

    Um abraço.
    (Olha que não ando ausente daqui, só preguiçoso e desinspirado em escrever. Mas este teu post foi uma “provocação que não podia ignorar…)

    ResponderEliminar
  3. olá andré (a escrever com o user da sofia),

    cá está tudo na mesma, por aqui. estarias?! ainda bem... (ou não; nunca saberemos)...

    abraço.

    ResponderEliminar
  4. olá Socrates daSilva,

    eu sei que não andas ausente... também a mim me tem faltado a vontade, motivação, inspiração, e tempo para escrever... e então, também voltavas a arriscar, mesmo sabendo que irias falhar, over and over again...?

    Abraço.

    ResponderEliminar
  5. cunhadito... embora não seja exactamente de "erros" que o post fala... Os erros, esses eu não os voltaria a cometer (se algum cometi)... abraço.

    ResponderEliminar
  6. pois eu nao gostaria de voltar atrras,gosto e de ir para a frente.Ecom prazer de te ver brevemente.Abraço antonio

    ResponderEliminar
  7. pois, pois, gandra. isso é para quando? ontem? cá te espero... abraço.

    ResponderEliminar
  8. Digamos que voltar atrás, com um pouco do que sei hoje seria melhor...
    :-)

    Abraço!

    ResponderEliminar
  9. Nós nunca sabemos aquilo que sempre soubemos... (é apenas uma mecanismo de defesa - freudianamente falando - "negação")-----

    Abraço.

    ResponderEliminar
  10. Podia dizer-te "Temos é que olhar para a frente!" ou "Temos de aprender com o nosso Passado" ou um mais popular "Para trás mija a burra" mas a hipocrisia nunca foi um forte meu. Sendo assim, repito um outro cliché: "A aceitação é o primeiro passo". Como é que queres fazer uma caminhada sem dares o primeiro passo?

    ResponderEliminar
  11. Enganaste Tomás, a aceitação não é o primeiro passo. A negação é que é o primeiro passo. Como vês, o tapete tem sido puxado debaixo dos pés, pois todos os passos têm sido o primeiro passo... Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  12. se eu pudesse voltar atrás fazia tudo novamente... afinal, falhar também pode ser acertar por um período delimitado no tempo... é a velha máxima: há males que vêm para bem... mesmo que não pareça!

    desculpa o abuso!

    ResponderEliminar
  13. Ora essa Guilhim, não é abuso nenhum...

    Pois eu também fazia exactamente o mesmo, embora sabendo que iria chegar o dia em que me iria arrepender... As decisões, os caminhos que tomamos, não são bons nem maus, o lugar onde nos levam é que pode não nos satisfazer...

    Abraço, e volta sempre.

    ResponderEliminar
  14. Gostei bastante do texto. Porque é complicado tratar da dualidade entre aquilo que defendemos em teoria e aquilo que praticamos. E ainda mais complicado é faze-lo desta forma: bastante bem. A última frase é uma "chave de ouro"...


    No entanto há vários pontos em que discordo. "Se eu pudesse voltar atrás" tomaria diferentes decisões porque as que tomei foram no mínimo "menos boas" dado que me levaram a lugares indesejados. ;)


    Stay Well

    ResponderEliminar
  15. olá Nelson, claro que gostaríamos de alterar algumas decisões que tomámos... mas, se pudéssemos, altera-las-íamos realmente?

    Abraço.

    ResponderEliminar

Deixe o seu comentário. Tentarei responder a todos. Obrigado