segunda-feira, 19 de maio de 2008

The Bed A Cama Henri de Toulouse-LautrecPorque a noite é diferente do dia. E durante o dias as flores estão presas à terra e não se podem mexer. Mas a noite liberta as flores. E de noite as flores dançam e passeiam. E naquele jardim durante o dia mandavam a dona da casa e o jardineiro. Mas durante a noite mandava o Rapaz de Bronze. Entre o roseiral e o parque, num lugar sombrio, solitário e verde, havia um pequeno jardim rodeado de árvores altíssimas que o cobriam com os seus ramos. No meio desse jardim havia um lago redondo sempre cheio de folhas. No centro do lago havia uma ilha muito pequena feita de pedregulhos e onde cresciam fetos. E no centro da ilha estava uma estátua que era um rapaz feito de bronze. E durante o dia o Rapaz de Bronze não se podia mexer e tinha que estar muito quieto, sempre na mesma posição, porque era uma estátua. Mas durante a noite ele falava, mexia, caminhava, dançava, e era ele quem mandava nos jardins, no parque, no pinhal, nos pomares e no campo. Sophia de Mello Breyner Andresen, in O Rapaz de Bronze (Edições Salamandra, p.16) Imagem: The Bed, de Henri de Toulouse-Lautrec. Private Message: Espero que encontres a tua noite antes que seja tarde demais...

4 comentários:

  1. Magnifico exemplo de como uma prosa pode ser poesia...
    Abraço.

    ResponderEliminar
  2. Espero que "ele" e todos nós encontremos a nossa noite.
    O quadro do Lautrec é lindo, não o conhecia.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  3. Olá Pinguim, é um dos meus contos preferidos da Sophia... Um abraço poético.

    ResponderEliminar
  4. olá special k, acho que infelizmente não vai encontrar, embora a sua vida vá escurecendo de dia para dia... a ver vamos... Abraço.

    ResponderEliminar

Deixe o seu comentário. Tentarei responder a todos. Obrigado