quarta-feira, 31 de outubro de 2007

SONHOS PARTILHADOS


Gostava de ter uma quinta isolada com um riacho... onde pudesse ter os meus livros, uma máquina de escrever, um cão e um sótão... um perdigueiro... e a sombra de um salgueiro... um pôr-do-sol arroxeado... uma brisa estival... um pintassilgo e um pardal... e um horizonte prateado... gostava de não ter nascido, embora a ideia de morrer me assuste... gostava de ter resposta para duas ou três perguntas simples... aqueles porquês amargos que vamos coleccionando... ou talvez seja eu que não tenha coragem para fazer as perguntas certas... não acredito na hipótese de voltar a amar... "Todos os amores são a sombra daquele que nos alvoroça como um fantasma"... se alguém achar que consegue fazer-me acreditar no contrário... tenho duas pulseiras, uma de prata, outra com pedras (violetas, pretas e verdes)... disseram-me que eram um pouco amaricadas... eu respondi "Ainda bem! É sinal que gostas, mas és cobarde demais para admitir!"... gosto de vestir roupas com cores fortes (vermelho, verde, laranja, violeta)... há mais de dois anos que não uso os meus quatro brincos... gostava de fazer um piercing e uma tatuagem... com a imagem de um anjo a masturbar-se enquanto segura um crucifixo... tento sempre cumprir as promessas que faço, desde as mais simples às mais difíceis... a coisa que mais odeio na vida é o facto de não poder ter por perto todas as pessoas de quem gosto... sou incapaz de dizer a alguém que tenho saudades... detesto pedir desculpas... e também não gosto que me peçam desculpas; aliás, não sei qual das duas situações é mais confrangedora para mim... por vezes passo-me dos carretos... não sei o que são asneiras, para mim são interjeições!... o que mais me cativa nas pessoas é o sorriso e o modo de olhar... gosto mais das pessoas bonitas e tristes que das pessoas feias e alegres... tenho pena que a maioria das pessoas não entenda o non-sense... costumo pensar "coitada, nunca leu a Alice nem os livros do Boris Vian"... é impossível (já desisti) ironizar com os portugueses, levam tudo à letra... ando sempre com um poema na cabeça; geralmente de Álvaro de Campos... já sube o poema "Guardador de Rebanhos" (Alberto Caeiro) todo de cor... Ainda sei a primeira estrofe... Gostava de ler todos os livros de Luiz Pacheco, mas tenho receio que depois desate a plagiá-los... por isso ainda não comprei nenhum... o whisky é a única bebida capaz de anestesiar as minhas dores do espírito... gosto de cozinhar, mas detesto lavar e arrumar a louça... prefiro a comida um pouco insosa e pouco doce... junto noz moscada a todos os temperos... às vezes fico angustiado quando estou a ler, porque penso que nunca conseguirei ler todos os livros que queria... detesto a barba... em vez de me cair o cabelo, devia cair-me a barba... tenho insónias... por causa disso, ando quase sempre mal disposto... ou talvez seja o contrário... eu sei que é um sintoma de um outro problema, mas não gosto de pensar nisso... porque não há nada a fazer, e quando não se pode fazer nada, tem que se aguentar... sou feio e infeliz... um mal nunca vem só!... e não me venham com falinhas mansas... que a beleza está por dentro! O tanas!... sou alérgico aos pólens de algumas árvores e à alegria... a alegria causa-me depressão... gosto muito de enchidos, excepto de morcela... algumas pessoas dizem-me que poderia ter ido muito longe, pois tenho muita inteligência... eu sei que sim; respondo que a inteligência não chega, que tenho pena, mas é necessária a conjugação de muitos outros factores para ter sucesso em alguma coisa... as pessoas sobrevalorizam o peso da inteligência... e esquecem-se de tudo o resto... quando falo de mim, nunca é de mim que falo, que eu sou incapaz de falar sobre mim...

8 comentários:

  1. Nenhum problema, André, eu compreendo.

    Reparei que também tens o servidor Kanguru. Não sei se te poderá ajudar, mas se tiveres upgradado para a ligação usb, usa o fio mais comprido e aproxima a extremidade de uma janela. Tenta. Não te conformes que é a sua obrigação servir e servir bem e note-se que 3.6 ainda é uma miséria, para não falar que a promessa de 7.2 vai no Batalha.

    A mudança, no meu caso, foi de 2 para os 3.6 quando efectuei essa simples operação.

    Gosto muito de ler o que escreves ou seleccionas e virei aqui sempre, não apenas para te visitar, mas também para 'te' clicar que é para isso que os teus 'ads' aqui estão.

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Tanta informação num só texto... Parece que foi um texto escrito ininterruptamente... onde soltaste ideias e emoções...
    És lindo... e TENHO MUITAS SAUDADES TUAS!!! Vem visitar-nos!!

    ResponderEliminar
  3. Para quem é «avesso» a «Ulysses», eis aqui um bom exemplo de «stream of consciousness», demasiado ordenado, é certo, mas um bom exemplo. Parabéns!
    O último período, porém, não me convenceu e «estraga», a meu ver, um pouco o efeito que o texto teria sem ele...
    Mas que sei eu?...
    Abraço! :-)

    ResponderEliminar
  4. Caro André
    eu sou mais "terra a terra" : gostei da descrição que fazes de ti, embora pense, mesmo não te conhecendo, que carregas talvez demasiado, alguns aspectos que são apenas traços complementares de uma personalidade bem vincada.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  5. olá Rita,

    Eu também tenho MUITAS saudades tuas!

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  6. Olá RIC,

    eu não sou «avesso» a Ulysses; é uma obra que anseio ler - mas, quanto a livros, sou muito possessivo: praticamente só leio aquilo que compro! Sou fóbico a bibliotecas! E não gosto de pedir livros emprestados, porque também detesto emprestar livros! assim, entre as contingências bibliófilas da vida, nunca calhou que eu e o Ulysses nos encontrássemos... espero esse terno encontro com paciência! Talvez o leia (n)um dia, talvez não...

    Abraço amigo :)

    ResponderEliminar
  7. Olá Pinguim,

    Sim, eu sempre fui um cabeça no ar! Pelo menos é o que sempre me disseram, que eu nunca gostei de me pensar, nem reflecir... Abraço e obrigado pelos comentários.

    ResponderEliminar
  8. conseguiste compilar numa páginazita muita coisa que sabia sobre ti e mais um coisinha ou outra...

    e nada tenho a dizer, excepto: não te esqueças que és sempre bem-vindo cá em coimbra.

    ah... e a barba é fixe! ;)

    ResponderEliminar

Deixe o seu comentário. Tentarei responder a todos. Obrigado