domingo, 22 de abril de 2007

excerto de "A Saudade"

São altas horas da madrugada
E eu ainda não me fui deitar.
Faço estes versos sem sentido
Para esquecer as lágrimas que choro...

Eu ainda não me fui deitar
Nem me quero ir deitar.
Tenho sono, muito sono!,
Mas não tenho vontade de dormir!

Eu ainda não me fui deitar!
Prefiro estar aqui a chorar
Sozinho...

Quero chorar sem fim
Até ficar desidratado
E ter os olhos inchados...

E quando não tiver mais lágrimas
Para chorar,
Continuarei a chorar as lágrimas-versos-sem-sentido!

São altas horas da madrugada
E eu ainda não me fui deitar;
Continuo aqui a chorar
Sem saber porquê!, talvez por nada!

São altas horas da madrugada,
E eu já devia dormir há horas!
Mas é melhor continuar aqui a chorar,
E a ouvir música que me dá vontade de chorar...

E a lembrar o tempo morto que me dá vontade de chorar
E a lembrar tudo que me faça chorar,
Porque me apetece chorar,
Agora, que não sei porque é que estou a chorar...

São altas horas da madrugada;
Se me tivesse deitado
Não podia escrever estes versos-lágrimas-sem-sentido...

Que sortudo que eu sou...
Que não me fui deitar porque choro
Sem saber porquê, com sono e sem vontade de dormir...

São altas horas da madrugada,
E tudo que me lembra é chorar;
Mas não me lembra porque é que choro!

São altas horas da madrugada,
Que raios que estou sempre a repetir
Que são altas horas da madrugada...
São duas horas e quarenta e seis minutos!

São altas horas da madrugada,
E tudo o que faço, faço-o porque sim!
Tudo o que faço parece não ter filosofia;
E ainda bem que não tem filosofia!...

Choro!, choro cada vez mais,
Ao ritmo dos meus versos
Cada vez mais sem sentido!
Coitados dos meus versos!

Tudo parece perder o sentido
A esta hora da madrugada:
Lá fora não se houve nada!

Está tudo a dormir...
Parecem todos despreocupados,
Mas mesmo a dormir, não devem estar mais descansados...

3 comentários:

  1. "São altas horas da madrugada
    E eu ainda não me fui deitar."
    assim sou eu em londres...pela noite dentro a matar saudades e a receber aquilo que me quiserem dar...

    ResponderEliminar
  2. por vezes a dormir é quando mais se está em desasossego, é no sono que surge o sonho, havendo sonhos dos mais variados tipos...

    ResponderEliminar
  3. O poema é teu,certo?
    Tá mt bonito... conseguiste uma facilidade nas palavras para descrever coisitas dificeis... aprecio mt isso, parabéns!
    E si, infelizmente, acho que essa sensação é espaço comum para mt mt gente!

    ResponderEliminar

Deixe o seu comentário. Tentarei responder a todos. Obrigado