quarta-feira, 6 de dezembro de 2006

no tempo da poesia

corríamos para o regato
e líamos Sophia
à sombra dos salgueiros
trocávamos beijos apaixonados
juntávamos sonhos e desejos
e dividíamos medos e receios

fugíamos para as cearas
e líamos Eugénio
quando ouvíamos o riso
dos rapazes que se aproximavam
e percorria o teu rosto
enquanto eles se banhavam

e nem as trovoadas repentinas
que nas tardes quentes de verão
explodiam
nos separavam

2 comentários:

  1. Gosto de Sophia, gosto de Eugénio, ambos são para mim poetas de referência e leitura obrigatória.
    Mas gosto muito, mesmo muito desta poesia.
    Obrigado.

    ResponderEliminar
  2. também dois dos meus poetas de eleição! Abraço

    ResponderEliminar

Deixe o seu comentário. Tentarei responder a todos. Obrigado